quinta-feira, 9 de julho de 2009

A FRANCO-MAÇONARIA DESDE SUA CRIAÇÃO ATÉ 1789

A FRANCO-MAÇONARIA DESDE SUA CRIAÇÃO ATÉ 1789

2.1 – O GRANDE ORIENTE E SUAS ORIGENS

O Grande Oriente da França nasceu de uma insurreição de alguns de seus membros
contra as constituições e a hierarquia tradicionais da Franco-Maçonaria. Algumas linhas
de explicação são aqui necessárias.
A Franco-Maçonaria foi fundada na Inglaterra por homens que faziam parte de uma
das potentes fraternidades secretas do Ocidente: a Confraria dos Rosa-Cruzes. Esses
homens, sobretudo Ashmole, tiveram a idéia de criar um centro de propaganda onde
pudessem formar, sem que se soubesse abertamente, membros instruídos para a Rosa-
Cruz. Assim, as primeiras lojas maçônicas foram mistas e compostas por obreiros reais e
por obreiros da inteligência (livres maçons). Os primeiros trabalhos de Ashomole datam
de 1646; mas foi somente em 1717 que a Grande Loja de Londres foi constituída. Foi
essa Loja quem forneceu as cartas regulares às Lojas francesas de Dunkerque (1721),
Paris (1725), Bordeaux (1732) etc...
As lojas de Paris multiplicaram-se rapidamente, nomearam um Grão-Mestre para a
França, o Duque D’Antin (1738 a 1743), sob influência do qual foi idealizada e
publicada a Enciclopédia, como veremos adiante. Eis a origem real da revolução
realizada inicialmente no plano intelectual, passando após ao plano formal.
Em 1743, o Conde de Clermont sucedeu ao Duque d’Antin como Grão-Mestre e
tomou a direção da Grande Loja Inglesa da França. Esse conde de Clermont, muito
negligente para ocupar-se seriamente dessa sociedade, nomeou substituto um mestre de
dança, Lacorne, indivíduo intrigante e de costumes deploráveis. Esse Lacorne fez entrar
nas lojas grande quantidade de indivíduos de sua espécie, o que originou a cisão entre a
loja constituída por Lacorne (Grande Loja Lacorne) e os antigos membros que
formavam a Grande Loja da França (1756).
Após uma tentativa de reconciliação entre as duas facções rivais (1758), o escândalo
tornou-se tão grande que a polícia interveio e fechou as lojas de Paris.
Lacorne e seus adeptos aproveitando-se desse acontecimento, obtiveram o apoio do
Duque de Luxemburgo (15 de junho de 1761) (29). Fortes por esse apoio, conseguiram
entrar na Grande Loja de onde tinham sido banidos. Fizeram nomear uma comissão de
controle, cujos membros foram previamente comprados. Ao mesmo tempo, os irmãos do
Rito Templário (Conselho dos Imperadores) associaram-se em segredo às intrigas dos
comissários e, em 24 de dezembro de 1772, um verdadeiro golpe de estado maçônico foi
dado pela supressão da inamovibilidade dos presidentes das Lojas e pelo
estabelecimento do regime representativo. Revoltados vitoriosos fundaram, desse modo,
o Grande Oriente da França. Um maçon contemporâneo pode escrever: “Não é demais
dizer que a revolução maçônica de 1773 foi a precursora e o estopim da Revolução de
1789” (30)
O que se faz necessário enfatizar é a ação secreta dos irmãos do Rito Templário.
Foram eles os verdadeiros fomentadores das revoluções; os demais não passaram de
dóceis agentes. Assim, o leitor poderá compreender nossa afirmação: O Grande Oriente
nasceu de uma insurreição. Retornemos sobre dois pontos: a) A Enciclopédia
(Revolução Intelectual); b) A História do Grande Oriente de 1773 a 1789.